terça-feira, 5 de novembro de 2013

" HOMENAGEM AO MEU TIO ANAGÊ "( conhecido por Parú )

Quando eu era mais jovem lá entre os meus 14 e 15anos, trabalhei de ajudante na oficina do meu pai, foi onde aprendi muitas profissões e ainda com tudo ganhava uns trocados. Mas aprendi também que não podia mexer no rádio do meu tio anagê, senão ele ficava irritado. Ele me dizia que era mais fácil tirar um osso de um cão, do que mexer no seu rádio e trocar de estação, pois era ouvindo as músicas daquele rádio de madeira que fluía toda a sua imaginação, onde dela nascia as suas artes plásticas deixando os automóveis em perfeição. Mas era só o meu tio dar uma saidinha que eu corria em direção do rádio e colocava um som mais empolgante, e enquanto eu curtia o meu som, meu tio chegava de repente me dando o maior flagrante. Nas festinhas que meu pai fazia nos finais de semana ele sempre dava o ar de sua graça dizendo que o tio anagê chegou e pra ele não tinha festa parada e nem dança que nunca dançou, ele dançava uma dancinha engraçada com passos combinados e dava um show. Meu tio parú era feliz com a vida que levava e tinha orgulho dos filhos e da esposa que sempre o apoiava, e assim ele se sentia um pai e um marido abençoado, sabendo que tudo ficaria bem por ter sua família ao seu lado. Era um homem simples que tinha como prato preferido um pirão feito de caldo de peixe acompanhado com uma posta de peixe frito e um limão espremido por cima, e como ele mesmo dizia: eu gosto de tomar uma cachacinha para abrir o goto e ficar tudo no clima. assim era o anagê, que cumpriu o seu destino sendo quem deveria ser, um pai herói para os filhos e um marido amado por uma mulher que sempre foi seu braço direito, e sempre o olhou com olhar apaixonado admirando as suas qualidade e descartando os seus defeitos.

Essa pequena homenagem é para você anagê, que partiu e nos deixou com saudades, por isso, deixo aqui expresso, a minha admiração e respeito que eu tinha e ainda tenho por ti, e com isso onde quer que esteja você possa ver que jamais te esqueci e sempre de ti vou lembrar, para que minhas boas lembranças possam os seus caminhos iluminar. Um abraço e um até breve do seu sobrinho.

Autor : Cairê barcelos