sexta-feira, 15 de maio de 2015

" DESAMOR "

Não tenha dó em me maltratar, pois já estou acostumado a sofrer por te amar. Me machuque, me magoe, fira os meus sentimentos por pura maldade e me ofenda de todas as maneiras que puder pisando sobre mim, como já fizestes outrora. Quando me ver passar, me ignore, e se mesmo assim eu ousar seguir em sua direção, dê uma grande gargalhada irônica e me deixe perceber olhando em meus olhos com os seus envenenados,que estás à sussurrar nos ouvidos alheios, que detestas, quando eu olho para ti. Mas, se todos esses sentimentos bons ainda não tiverem cessados, e por alguma insanidade emocional eu continuar te olhando com a mesma admiração, deixe jorrar de dentro da sua boca pecaminosa, toda a sua abominação. Contudo, se por todos esses motivos eu ainda estender-lhe as mãos, conduza-me até a sepultura que com o passar do tempo você me preparou, e que com o decorrer da nossa história aos poucos pedaços de mim enterrou, e com uma pá de cal enterre, os restos de um amor que o coração cultivou, na esperança da cura, deste teu desamor.



Autor: Cairê Barcelos